Cirurgia da Coluna

A nossa coluna vertebral é composta por diversas estruturas, como nervos, articulações, músculos e ossos. Além de toda a sustentação corporal, ela possibilita a nossa locomoção e realização de todas as atividades diárias.

Pode ser dividida em região cervical (pescoço), dorsal (meio das costas) e lombar (parte mais baixa da coluna). As cirurgias, inclusive, são realizadas nestas três regiões.

Existem diversas questões que levam uma pessoa a necessitar de uma intervenção cirúrgica na coluna. As mais comuns são:

  • Tumores de ordem maligna ou benigna;
  • Traumas diretos;
  • Correção de deformidades congênitas ou não;
  • Descompressão dos nervos, por hérnias de disco ou estenose de canal vertebral.

Como funciona uma cirurgia da coluna?

A cirurgia da coluna pode ter várias formas e usa diferentes técnicas para se chegar em um resultado comum. Por muito tempo, a cirurgia convencional foi a mais usada. Ela precisa de uma grande incisão, que por vezes, atinge nervos e outras estruturas, o que não é saudável.

Com a avanço da Medicina, novas técnicas foram incorporadas, como a cirurgia minimamente invasiva da coluna.

Cirurgia minimamente invasiva da coluna

A cirurgia minimamente invasiva da coluna inclui técnicas cirúrgicas desenvolvidas para promover uma menor agressão aos tecidos e ao corpo do paciente, e surge como alternativa para as intervenções tradicionais.

Assim, utilizam-se pequenas incisões e instrumentos de orientação com câmeras de vídeos microscópicas, inseridas justamente sob essas incisões. Todas as imagens são transmitidas em um monitor durante o procedimento.

O paciente pode receber alta no mesmo dia. Há menor sangramento e uma recuperação muito mais rápida do que em cirurgias convencionais.

Existe algum risco associado à realização de uma cirurgia na coluna?

Como em toda e qualquer cirurgia, não importa qual seja, sempre existirão riscos associados. Entre os mais comuns estão a perda de sangue inesperada, problemas clínicos como trombose, possíveis reações adversas ao anestésico e infecções localizadas.

Quer saber mais sobre o assunto? Entre em contato com o Dr. Fabiano Fonseca!