Artrose de Coluna Vertebral

Também conhecida como espondiloartrose e osteoartrite da coluna, a artrose da coluna vertebral caracteriza-se pelo desgaste da cartilagem das articulações da coluna, ou degeneração das mesmas, levando à limitação funcional e diminuição da movimentação da coluna, gerando um quadro de dor.

Apesar de estar ligada à degeneração, que piora em indivíduos acima dos 50 anos, ela deve ser tratada, pois pode se tornar crônica, levando a complicações mais sérias, como a limitação das funções.

Atualmente, existem diversos tratamentos modernos e técnicas específicas que ajudam a melhorar a qualidade de vida de pessoas que possuem artrose na coluna vertebral.

Quais os sintomas da artrose na coluna vertebral?

Entre os principais sintomas da condição, podemos citar:

  • Dor acentuada ao realizar o movimento de extensão da coluna vertebral;
  • Dor persistente, que dura de meses a anos, com altos e baixos ao longo do tempo;
  • Dor local na coluna, que costuma irradiar até o joelho;
  • Dor ao acordar, com pressão nas articulações que estavam em repouso.

A intensidade desses sintomas varia de pessoa para pessoa. Em alguns casos graves, pode ser indicado, por exemplo, o afastamento definitivo do trabalho. Vale salientar que o desgaste pode acontecer em qualquer região da coluna vertebral, sendo mais comum, nas regiões lombar e cervical.

Diagnósticos e tratamentos

Em suma, o diagnóstico da artrose da coluna vertebral é feito pelo ortopedista. Ele avalia as queixas apresentadas pelo paciente e realiza também os exames físicos, que são realizados através da palpação do local.

Em casos específicos, pode ser necessária a realização de uma ressonância magnética da coluna, que identifica alterações não vistas em exames de raio x, por exemplo.

O tratamento inclui o uso de remédios, para alívio das dores, e cirurgia, para correção de deformidades.

O tipo de cirurgia vai depender de cada caso, podendo ser através da radiofrequência de coluna, a cirurgia convencional e a minimamente invasiva.

Quer saber mais sobre o assunto? Entre em contato com o Dr. Fabiano Fonseca!